Posts com Tag ‘Java’

1- Nautilus:
Este aplicativo vem configurado para abrir no conceito espacial (cada clique em um item da pasta abre uma janela). Vamos alterar para o modo navegador:
Editar >> preferências >> Comportamento : marque a caixa “Sempre abrir em janelas de navegador”. Se desejar, marque também “clique único para abrir ítens” (para mudar de clique duplo para único, trazendo a vantagem da agilidade).

2- Gnome-Terminal:
Para mudar o tamanho do terminal, proceda segundo um dos seguintes métodos:

  • Método 1 – já existindo um ícone de atalho no painel superior (ou no desktop) para o gnome-terminal, abra suas propriedades e defina sua chamada através da caixa “comando” como gnome-terminal –geometry=136×30 . O valor do tamanho pode ser o que te convier. O único problema desta forma é que ao usar outro atalho que não este, o terminal voltará a abrir no tamanho padrão.
  • Método 2 – a solução definitiva é editar o arquivo de configuração /usr/share/vte/termcap/xterm. Para isso digite alt+f2 (que abrirá a janela de executar comando), e digite gksu gedit /usr/share/vte/termcap/xterm . Quando a arquivo xterm abrir, procure pela linha :co#80:it#8:li#24: fazendo a alteração dos valores 80 e 24 para o tamanho que melhor lhe convier (o 80 é o tamanho horizontal e o 24 o vertical). Uma possibilidade seria :co#136:it#8:li#30: . Salve o arquivo e saia. Reinicie a interface gráfica. Ao abrir o terminal, observe que ele já estará no novo tamanho escolhido.

3- Administração de Usuários, opções de rede e outros
Para quem instalou o básico do Gnome, um pacote extra essencial é o gnome-system-tools:

#apt-get install gnome-system-tools

As ferramentas de sistema GNOME (“GNOME System Tools”) são um conjunto de ferramentas totalmente integradas para facilitar o trabalho que é administrar computadores nos sistemas UNIX ou Linux. Elas foram pensadas para ajudar desde o novo usuário Linux ou UNIX até os administradores de sistema.

Atualmente estas são as ferramentas para gerenciamento:
– Usuários e grupos
– Data e hora
– Opções de rede
– Serviços
– Compartilhamentos (NFS e Samba)

4- Wallpapers:
Normalmente as pessoas gostam de usar papéis de parede diferentes. Isso é muito fácil de alterar no gnome, bastando clicar com botão direito do mouse na área de trabalho (desktop) e escolher “alterar plano de fundo”. Depois usar a opção adicionar, e pronto. Mas e se deseja adicionar uma coleção grande de wallpapers? Para facilitar e ter todas elas disponíveis em um só lugar, coloque-as na pasta padrão do sistema /usr/share/pixmaps/backgrounds . Só é possível fazer isso como root e no terminal, ou usando o nautilus como root.

5- Java:
O OpenJava é instalado automaticamente quando de uma instalação padrão da interface Gnome no Debian. Para instalação do Sun-Java veja o post Como instalar Java (JRE) do Debian Lenny.

6- Iceweasel em português
Para deixar o navegador Iceweasel em portuguës, veja o post Iceweasel em língua portuguesa.

7- Instalando o flash no Iceweasel, Firefox ou Epiphany
Para deixar o flash funcionando corretamente nos seus navegadores, veja o post Instalando o flash no Iceweasel, Firefox ou Epiphany com Debian Lenny.

8- Gravar CD e DVDs
Instalar o k3b. Após instalá-lo, e se seu nome não aparecer listado no menu suspenso do Gnome (na opção “Aplicativos -> multimídia”), marque o aplicativo K3b através da opção Sistema -> preferência -> Menu Principal -> Multimídia para que o mesmo passe a figurar como opção no menu suspenso.

  • vym: mapa mental
  • kdissert: mapa mental
  • freemind: mapa mental
  • gimp: editor de imagem
  • gcolor2: seletor de cores muito simples e prático
  • terminator: um terminal de console com diversas funcionalidades poderosas

9- Editar arquivos pdf
Uma boa ferramenta é o Master PDF Editor. Mas atenção: não é um software livre, mas seu uso é livre para aplicações não comerciais. Está disponível para download as versões 32bits e 64bits, arquivos “.tar.gz”, “.deb” e “.rpm”.

10- Aplicativos e drivers para o áudio
Primeiro, certifique-se de que o repositório multimídia esteja presente em /etc/apt/sources.list, da seguinte forma (para Debian squeeze):
deb ftp://ftp.debian-multimedia.org squeeze main non-free

Agora fazer a instalação de:

# apt-get install gnusound xine-plugin gxineplugin mozilla-plugin-vlc sound-juicer
# apt-get install totem totem-plugins totem-mozilla totem-xine
# apt-get install w32codecs ;apenas para sistemas de 32 bits
# apt-get install w64codecs ;apenas para sistemas de 64 bits
# apt-get install libdvdcss2 lame mp3gain soundconverter sox libsox-fmt-mp3 faad xmms2-plugin-faad xmms2-plugin-mp4 faac flac gstreamer0.10-ffmpeg gstreamer0.10-plugins-bad gstreamer0.10-sdl gstreamer0.10-plugins-ugly gxine gxineplugin regionset x264 gstreamer0.10-x264 mp3gain mjpegtools mpeg2dec vorbis-tools id3v2 mpg321 mpg123 libflac++6 ffmpeg cdda2wav libjpeg-progs ffmpeg2theora libmpeg2-4 uudeview libmpeg3-1 mpeg3-utils mpegdemux liba52-0.7.4-dev

11- Abrir imagens em um console Linux
É um conceito equivocado de que a visualização de imagens só é possível com o X windows (o software que provê uma GUI para o Linux). O framebuffer Linux fornece um suporte gráfico substancial, juntamente com suporte para várias fontes e resoluções.

O aplicativo “Frame Buffer Image viewer” (fbi) exibe nativamente arquivos nos formatos jpeg, ppm, gif, tiff, xwd, bmp, png e webp diretamente no console do Linux, usando o dispositivo framebuffer (/dev/fb0). Se a suíte ImageMagick estiver instalada, fbi poderá usá-la para lidar com todos os outros formatos que sejam suportados pelo comando “convert” dessa suíte.
# apt-get install fbi

Para visualizar arquivos basta utilizar, por exemplo, o seguinte comando:
$ fbi -t 4 *.png

Veja mais:
1- Personalizar as cores do editor Gedit
2- Pequenos ajustes no debian
3- Papeis de parede Gnome Art
4- Papeis de parede Debian
5- Install Mplayer and Multimedia Codecs in Debian 5.0 (Lenny)
6- O básico para o Debian Lenny no desktop
7- Ubuntu Tocando Todos os Formatos
8- The Frame Buffer Device

Anúncios

1. Introdução
São dois os programas a serem instalados: o programa da declaração propriamente dito e o programa receitanet para transmissão da declaração. Os procedimentos aqui descritos foram feitos em uma máquina com Ubuntu, i386, 10.13 (“saucy”), para os programas do IR do ano de 2013.

2. JVM
É necessário ter o java virtual machine instalado na máquina.  Utilizei o Openjdk (o Java livre), sem problemas.
Quando da instalação padrão da máquina, o openjdk-7-jre já fora instalado.  Isso é suficiente para instalar o programa da declaração do IR. Para certificar-se da instalação do java, utilize os seguintes comandos:

# java -version
java version "1.7.0_25"
OpenJDK Runtime Environment (IcedTea 2.3.12) (7u25-2.3.12-4ubuntu3)
OpenJDK Server VM (build 23.7-b01, mixed mode)

# apt-cache policy openjdk* | grep Instalado -B 1 -A 3
openjdk-7-jre:
Instalado: 7u25-2.3.12-4ubuntu3
Candidato: 7u25-2.3.12-4ubuntu3
Tabela de versão:
*** 7u25-2.3.12-4ubuntu3 0
--

Vemos pelas respostas do sistema que o JVM realmente está funcionando.

3. Instalar o programa de declaração do IR
O primeiro passo é baixar o programa da página da Receita Federal.  No caso do programa relativo ao ano de 2013, este estava disponível em http://www28.receita.fazenda.gov.br/publico/programas/IRPF/2013/PGDIRPF2013/Java/Linux/IRPF2013Linuxv1.3.bin
Na verdade havia duas versões disponíveis: “.deb” e a “.bin”.   Fiz preferência pela versão bin por não desejar fazer a instalação do aplicativo na área de sistema, e sim numa área local do usuário. Como iria realizar uma reinstalação do sistema, desta forma estava evitando a necessidade de também reinstalar este aplicativo de IR.

Os procedimentos de instalação estão descrito na página da Receita, e repetimos aqui:
$ chmod +x IRPF2013Linuxv1.2.bin
$ ./IRPF2013Linuxv1.2.bin

No processo de instalação é perguntado a pasta de instalação desejada, onde simplesmente aceitei a sugerida (~/ProgramasRFB/IRPF2013).
Pronto, tinha um ícone de atalho em minha área de trabalho bem como o acesso ao aplicativo aparecia no menu principal do gerenciador gráfico (gnome ou Xfce, kde…).

4. Instalar o programa receitanet
Desta vez quiz testar a versão deb, em vez da versão bin. O promeiro passo é baixar o programa da página da Receita Federal.  No caso do programa relativo ao ano de 2013, este estava disponível em http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/programas/receitanet/receitanet-1.04.deb

E aí só o usar o comando abaixo como administrador:
# dpkg -i receitanet-1.01.deb
(Lendo banco de dados ... 185055 ficheiros e directórios actualmente instalados.)
Preparando para substituir receitanet 1.01 (usando receitanet-1.01.deb) ...
Desempacotando substituto receitanet ...
dpkg: problemas com dependências impedem a configuração de receitanet:
receitanet depende de java-virtual-machine; porém:
Pacote java-virtual-machine não está instalado.
dpkg: erro ao processar receitanet (--install):
problemas de dependência - deixando desconfigurado
Processando gatilhos para desktop-file-utils ...
Processando gatilhos para gnome-menus ...
Processando gatilhos para mime-support ...
Erros foram encontrados durante o processamento de:
receitanet

Foi frustante encontrar este erro.  Várias postagens na internet relatavam que o programa receitanet náo funcionaria com o Java Livre.  Tudo besteira, pois este aplicativo funciona sim com o Java Livre.  Para solucionar o problema fiz os seguintes passos como administrador:

# which java
/usr/bin/java

# JAVA_HOME='/usr/bin/java'
# export JAVA_HOME
# apt-get install openjdk-7-jdk

Agora foi só repetir o comando de instalação e observar pelas mensagens a instalação ocorrer sem qualquer problema:

# dpkg -i receitanet-1.01.deb
(Lendo banco de dados ... 186740 ficheiros e directórios actualmente instalados.)
Preparando para substituir receitanet 1.01 (usando receitanet-1.01.deb) ...
[SUCESSO]: Preferencias limpas com sucesso em  -'.systemRoot/br/gov/serpro/receitanet/suite/'.
[SUCESSO]: Preferencias limpas com sucesso em  -'.systemRoot/br/gov/serpro/receitanet/'.
Desempacotando substituto receitanet ...
Configurando receitanet (1.01) ...
[SUCESSO]: Preferencias gravadas com sucesso em  -'.systemRoot/br/gov/serpro/receitanet/suite'.
[SUCESSO]: Preferencias gravadas com sucesso em  -'.systemRoot/br/gov/serpro/receitanet'.
Processando gatilhos para desktop-file-utils ...
Processando gatilhos para gnome-menus ...
Processando gatilhos para mime-support ...

Referências:
Instalar Java no Debian – Sun-Java (JRE)

Logo do apache-tomcatO Tomcat é um servidor web Java, mais especificamente, um container de servlets. As especificações do Java Servlet e o JavaServer Pages são desenvolvidas através de um processo comunitário. Desenvolvido pela Apache Software Foundation, é distribuído como software livre dentro do conceituado projeto Apache Jakarta, sendo oficialmente endossado pela Sun como a implementação de referência para as tecnologias Java Servlet e JavaServer Pages (JSP). Ele cobre parte da especificação J2EE com tecnologias como servlet e JSP.

Ele tem a capacidade de atuar também como servidor web, ou pode funcionar integrado a um servidor web dedicado como o Apache. Como servidor web, ele provê um servidor web HTTP puramente em Java.

1) Pré requisito: Java instalado
Instalar o OpenJDK ou o Sun-Java, conforme descrito no post Instalar Java no Linux Debian.
Obs: é recomendável deixar a variável JAVA_HOME definida. Caso esta não seja definida, o Tomcat procura o java em alguns diretórios que são comuns para o OpenJDK, o sun-java, e para várias versões do J2SE.

Para o caso do OpenJDK, fazer:
# JAVA_HOME='/usr/lib/jvm/java-6-openjdk/'
# export JAVA_HOME

No entanto, esta definição não será vista no contexto dos usuários, bem como será perdida quando de nova iniciação da máquina. Para fazer com que esta definição seja permanente e visível por todos os usuários, disponibilize esta definição através do arquivo /etc/environment o qual é executado imediatamente após o boot da máquina. Acrescente ao final deste arquivo a seguinte linha:
export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-6-openjdk/

2) Instalar o Apache Tomcat
2.1) Certificar-se que não existe o Tomcat instalado

$ apt-cache policy tomcat?
libtomcat6-java:
Instalado: (nenhum)
Candidato: 6.0.35-1+squeeze2

tomcat6:
Instalado: (nenhum)
Candidato: 6.0.35-1+squeeze2

Pela resposta do sistema, vê-se que não existe Tomcat instalado. E a versão 6 do Tomcat é a disponível no repositório Debian, candidata à instalação.

2.2) Instalar o Tomcat como um servidor, para todo sistema

# apt-get install tomcat6 tomcat6-admin tomcat6-docs

A instalação do servidor Tomcat realizada deixa-o como um webapp ROOT padrão, o qual mostra uma página mínima. O funcionamento do servidor Tomcat pode ser visto com o navegador em http://IP-servidor:8080/ , onde se obterá a seguinte tela:

Tela padrão do servidor Tomcat

O java estará ativo, conforme pode ser visto pelo comando:
$ ps -A | grep java
10996 ? 00:00:03 java

Ainda sobre os pacotes instalados:

Após a instalação, a estrutura de diretórios do Tomcat é a seguinte:

/usr/
     share/tomcat6/
     ├── bin/
     └── lib/
     share/tomcat6-admin/
     ├── host-manager/
     └── manager/
     share/tomcat6-docs/
     └── docs/
     share/tomcat6-examples/
     └── examples/
     share/tomcat6-root/
     └── default_root/

2.3) Configurar o servidor Tomcat
Uma vez que o Tomcat esteja executando no servidor, o próximo passo é fazer sua configuração básica. Existem dois processos de configuração básicos: através dos arquivos de configuração XML e através da defição das variáveis de ambiente apropriadas. Os dois mais importantes arquivos de configuração do Tomcat são “server.xml” e “web.xml”. Por padrão, estes arquivos são /etc/tomcat6/server.xml e /etc/tomcat6/web.xml.

Os arquivos/pastas a serem observados inicialmente são:
– arquivo /etc/default/tomcat6;
– pasta /etc/tomcat6/.

a) Configurar a porta do servidor Tomcat
Por padrão o Tomcat 6.0 é executado sob um conector HTTP na porta 8080 e sob um conector AJP na porta 8009. Para mudar estes valores padrões, no intuito de evitar conflitos com outros servidores no sistema, deve-se alterar as seguintes linhas em /etc/tomcat6/server.xml, conforme exemplo para porta 8085:

<Connector port="8085" protocol="HTTP/1.1"
connectionTimeout="20000"
redirectPort="8443" />
...
<Connector port="8009" protocol="AJP/1.3" redirectPort="8443" />

b) Configurar as facilidades de administração do Tomcat
O pacote tomcat6-admin contém duas webapps com finalidades de administração:

  • webapp “host-manager”, a qual pode ser acessada por padrão em http://IP-servidor:8080/host-manager/html. Ela pode ser utilizada para criar hosts virtuais dinamicamente. O acesso à aplicação host-manager é protegida por senha: há necessidade de definir um usuário com o papel de “admin“;
  • webapp “manager”, a qual pode ser acessada por padrão em http://IP-servidor:8080/manager/html. Através deste é possível ter o status do servidor e reiniciar as webapps. O acesso à aplicação manager também é protegida por senha: há necessidade de definir um usuário com o papel de “manager“.

Estes usuários devem ser definidos em /etc/tomcat6/tomcat-users.xml. Por padrão, após a instalação nenhum usuário está definido para acessar as aplicações web “/manager/html” e “/host-manager/html”.

Veja um exemplo:

<tomcat-users>
<user username="admin1"  password="admin1" roles="admin" fullName="Tomcat Administrator-1" />
<user username="admin2"  password="admin2" roles="manager" fullName="Tomcat Administrator-2" />
<user username="jose" password="jose" roles="admin,manager" />
<user username="maria" password="maria" roles="contadora" />
</tomcat-users>

 

Não esquecer de iniciar o servidor tomcat:
/etc/init.d/tomcat6 restart

Neste exemplo acima, tem-se:
– os usuários admin1 e jose com direito de acesso à aplicação “/host-manager/html”;
– os usuários admin2 e jose com direito de acesso à aplicação “/manager/html”.

3) Logs do Tomcat
O log do Tomcat está disponibilizado na pasta /var/log/tomcat6/ .

4) Exemplos de Tomcat webapps

O pacote tomcat6-exemplos contém uma coleção de exemplos de aplicações web que podem ser usados ​​para testar ou demonstrar as características de Servlets API e JSP, que podem ser acessados através da URL http://IP-servidor:8080/examples. Para instalar, basta inserir o seguinte comando no terminal:

# apt-get install tomcat6-examples

Referências:
1- Apache Tomcat6 Documentation
2- Instalar Java no Linux Debian
3- Apache Tomcat
4- Tomcat Configuration
5- Installing Tomcat 6 on Debian Squeeze
6- Como instalar e configurar Apache-Tomcat 6 no Debian com o Apache2

1. GeoServer – introdução
Logo GeoServerO GeoServer é um Software Livre licenciado pela GNU GENERAL PUBLIC LICENSE (GPL), mantido pelo Open Planning Project (mantenedor principal), que permite o desenvolvimento de soluções de Webmapping, integrando diversos repositórios de dados geográficos com simplicidade e alta performance. É um servidor de código aberto escrito em Java que permite aos usuários compartilhar e editar dados geoespaciais. Projetado para a interoperabilidade, ele produz dados a partir das principais fontes de dados espaciais utilizando padrões abertos.

É a implementação de referência do Open Geospatial Consortium (OGC) para os padrões Web Feature Service (WFS) e Web Coverage Service (WCS), bem como um servidor de alto desempenho certificado de serviços web (WMS). GeoServer se constitui no componente central de uma web Geoespacial. O foco do GeoServer é facilitar o uso e suporte para os padrões abertos, a fim de permitir qualquer um de compartilhar rapidamente suas informações geoespaciais de uma maneira interoperável.

OpenLayers, uma biblioteca livre de mapeamento, está integrada ao GeoServer, fazendo com que a geração de mapas seja fácil e rápida. GeoServer é construído com Geotools, um conjunto de ferramentas Java GIS de software livre (licenciamento LGPL).

GeoServer pode exibir dados em qualquer um dos aplicativos de mapeamento populares, como Google Maps, Google Earth, Yahoo Maps e Microsoft Virtual Earth. Além disso, GeoServer pode se conectar com arquiteturas GIS tradicionais, tais como ESRI ArcGIS.


2. Requerimentos Java

Instalar o OpenJDK ou o Sun-Java, conforme descrito no post Instalar Java no Linux Debian, pois o GeoServer requer que a máquina virtual Java esteja instalada no ambiente da máquina hospedeira. Um Java Development Kit (JDK) não é necessário para executar o GeoServer.
Obs: é recomendável deixar a variável JAVA_HOME definida. Caso esta não seja definida, o Tomcat procura o java em alguns diretórios que são comuns para o OpenJDK, o sun-java, e para várias versões do J2SE.

3. Requerimentos servidor HTTP

GeoServer é empacotado como um servlet independente para uso com containers existentes como o Apache Tomcat ou o Jetty. O Jetty é o grande concorrente do Tomcat, o qual ficou famoso principalmente por ter sido utilizado no passado como o servlet container do JBoss. A grande vantagem do Jetty com relação ao Tomcat é a sua fácil configuração. Em 2009, o projeto Jetty mudou seus componentes principais para ser um projeto da Fundação Eclipse.

Assim, tem-se duas maneiras de colocar o Geoserver em funcionamento: com container Jetty e com o container Tomcat. Descreveremos deste ponto em diante as duas formas de instalação.

4. Instalar o GeoServer utilizando o container Jetty numa máquina Linux – Debian
4.1Jetty
a) Instalar o Jetty
Jetty é um projeto “open-source” fornecendo um servidor HTTP, cliente HTTP e “javax.servlet container”. É um concorrente do Tomcat e é utilizado como o servlet container do JBoss. Talvez a grande vantagem do Jetty com relação ao Tomcat é a sua fácil configuração.
Para instalar o Jetty:
apt-get install jetty libjetty-java libjetty-extra libjetty-extra-java

Fazendo esta instalação, teremos:

/usr/share/jetty/ Diretório HOME do Jetty na distribuição Debian. Outros diretórios são “linkados” a partir deste diretório HOME.
/var/log/jetty/ Pasta de logs do Jetty
/usr/share/jetty/webapps/ Pasta para as aplicações Java (“webapp static deployment directory”).
OBS: na verdade webapps é um apontador para a pasta /var/lib/jetty/webapps
/etc/jetty/jetty.xml Arquivo de configuração do servidor Jetty
/etc/init.d/jetty start|stop|restart Comandos para iniciar|parar|reiniciar o Jetty

b) Configurar o Jetty
Versão do Jetty: uma maneira fácil de identificar a versão do Jetty é olhar o seu log, que pode ser encontrado em /var/log/jetty. Observando o conteúdo de qualquer arquivo “stderrout.log” desta pasta, tem-se a versão do jetty que está rodando. No momento deste post, tínhamos neste arquivo de log:
[main] INFO org.mortbay.log - jetty-6.1.24

Ou seja, temos a versão 6.1 do Jetty.

É preciso fazer uma rápida configuração para o Jetty funcionar legal, editando /etc/default/jetty:

/*  Obrigatórias */
NO_START=0                  ## Libera a inicialização do servidor.
JETTY_HOST=0.0.0.0     ## Define que o servidor irá "ouvir" todas as interfaces.
/* Opcionais */
# Default for number of days to keep old log files in /var/log/jetty/
LOGFILE_DAYS=10
# The network port used by Jetty
JETTY_PORT=8080

e Reiniciar o Jetty:

# /etc/init.d/jetty restart

Agora, com o navegador, já podemos verificar o funcionamento do Jetty acessando http://IP-servidor:8080 e obtendo a seguinte página:
Tela inicial do Jetty

OBS: um teste manual rápido do funcionamento do Jetty também pode ser feito da seguinte forma:
/usr/share/jetty# java -jar start.jar e após este comando acessar com o navegador a página inicial do jetty conforme acima.

Pronto! Agora as aplicações Java (arquivos .war) podem ser adicionandas no diretório /usr/share/jetty/webapps
Após inserir uma aplicação no diretório, o Jetty deve ser reiniciado.
A URL para acessar a aplicação será  http://IP-servidor:8080/aplicacaowar

OBS: nesta pasta /usr/share/jetty/webapps pode-se colocar um link simbólico para a pasta onde está a aplicação (por exemplo, as páginas HTML e Javascript da aplicação). Para isto, use o comando:
/usr/share/jetty/webapps# ln -s /var/www/geoinformacao/teste teste
Assim, veja uma possível listagem desta pasta /usr/share/jetty/webapps:


lrwxrwxrwx 1 root    root    geoinformacao -> /var/www/geoinformacao/versao04
-rw-r--r-- 1 root    root    geoserver.war
-rw-r--r-- 1 jetty   adm     README.TXT
drwxr-xr-x 2 jetty   adm     root
lrwxrwxrwx 1 root    root    solr -> /usr/share/solr/web
lrwxrwxrwx 1 root    root    teste -> /var/www/geoinformacao/teste
lrwxrwxrwx 1 root    root    versao05 -> /var/www/geoinformacao/versao05

Por último, não esquecer de reiniciar o Jetty para o que o link simbólico tenha efeito:
# /etc/init.d/jetty restart

4.2. GeoServer
a) Baixar o Geoserver
Navegue até a página de Download do GeoServer e escolha a opção “Web Archive”, ou seja, baixe o arquivo WAR.

b) Descompactar o Geoserver
Utilize o seguinte comando:

$ unzip geoserver-2.3.2-war.zip

OBS: ficará disponível o arquivo geoserver.war . No momento deste post, versão estável do GeoServer: 2.3.2

c) Disponibilizar o Geoserver no diretório de webapps do Jetty
Copiar o arquivo geoserver.war para o diretório que contém o container de aplicações webapps.

# mv geoserver.war /usr/share/jetty/webapps/.
# /etc/init.d/jetty restart

Quando reiniciar o Jetty, este reconhecerá o arquivo WAR e imediatamente começará a implantar o aplicativo web. Este processo leva algum tempo e depende do hardware usado. Após isso, é só acessar com o navegador http://IP-servidor:8080/geoserver que a página inicial do Geoserver será mostrada. Para entrar na área restrita, o nome de usuário é admin e a senha é geoserver.

d) Configurar o ambiente do Geoserver para funcionar com o Jetty
A área onde o GeoServer amazena toda sua configuração é chamada “Geoserver data directory”. Mas a cada reiniciação do Jetty é feita a re-extração do Geoserver do arquivo “.war” e a área default do “Geoserver data directory” é reiniciada. Ou seja, todas as configurações do Geoserver são perdidas. Veja uma “fotografia” desta pasta no momento deste post:

drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 .
drwxr-xr-x root  root  Jun 30 ..
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 coverages
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 data
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 demo
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 global.xml
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 gwc
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 gwc-gs.xml
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 gwc-layers
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 layergroups
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 logging.xml
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 logs
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 palettes
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 plugIns
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 README.rst
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 security
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 styles
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 user_projections
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 validation
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 wcs.xml
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 wfs.xml
-rw-r--r-- jetty jetty Jun 30 wms.xml
drwxr-xr-x jetty jetty Jun 30 workspaces

Recomenda-se alocar o “Geoserver data directory” em uma outra área que não seja apagada a cada reiniciação do Jetty. Para isto deve-se criar uma variável de ambiente chamada “GEOSERVER_DATA_DIR”, que apontará para este local externo. O Geoserver, na sua iniciação, verificará se esta variável está definida e a utilizará. Caso contrário, utilizará a área default reservada pelo Jetty que no ambiente de teste utilizado no momento deste post era /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data .

Mas como configurar esta variável de ambiente, por exemplo, apontando para “/var/www/geoserver_data”? É simples, em duas etapas:
Etapa-1: editar o arquivo /root/.bashrc e incluir a seguinte linha ao seu final:
export GEOSERVER_DATA_DIR=/var/www/geoserver_data

Etapa-2: utilizar os comandos complementares abaixos:

# source /root/.bashrc
# /etc/init.d/jetty restart

OBS:
1) o arquivo .bashrc é lido e executado a cada bash start-up e é destinado a popular o shell com variáveis de ambientes e aliases, e executar comandos que o usuário necessita no seu start-up.
2) o comando “source /root/.bashrc” executa aquele arquivo .bashrc imeditamente.

Mas como saber o local que o Geoserver está utilizando para o seu “Geoserver data directory”? Muito fácil, e existem duas formas:
1- Forma-1: acessar o Geoserver como administrador, utilizar o menu “About & Status” -> “Server Status”. No caso default,
se verá o “Geoserver Data directory” como /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data
2- Forma-2: acessar o arquivo atual de log do Jetty (no momento deste post era o arquivo /var/log/jetty/2012_06_30.stderrout.log , onde se encontra logado o local utilizado como “GEOSERVER_DATA_DIR”:

30 Jun 12:31:17 INFO [geoserver.global] - 
------------------------------------------
- GEOSERVER_DATA_DIR: /var/www/geoserver_data
------------------------------------------

Criar um novo diretório de dados do Geoserver
Uma vez que o diretório de dados default “Geoserver Data directory” fora criado, deve-se copiá-lo (incluindo seus subdiretórios) para sua nova localização externa. Continuando com os mesmos parâmetros que vimos utilizando anteriormente, deve-se fazer:

# cp -R /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data/* /var/www/geoserver_data/.

 

e) Recomendações de segurança para o Geoserver em produção
Observar o conteúdo do arquivo /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data/security/masterpw.info:

This file was created at 2012/10/26 12:23:25
The generated master password is: IHg”UwfH
Test the master password by logging in as user “root”
This file should be removed after reading !!!.

Este arquivo, além de users.properties.old, devem ser removidos:
# rm /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data/security/masterpw.info
# rm /var/cache/jetty/data/Jetty_0_0_0_0_8080_geoserver.war__geoserver__.m1t4op/webapp/data/security/users.properties.old


5. Instalar o GeoServer utilizando o container Tomcat numa máquina Linux – Debian

5.1. Instalar o Tomcat
Instale o Tomcat conforme descrito no post “Instalar servidor Tomcat no Linux – Debian“. No caso, o Tomcat estará respondendo na porta 8080.

5.2. Baixar o GeoServer
Navegue até a página de Download do GeoServer e escolha a opção “Web Archive”, ou seja, baixe o arquivo WAR.

5.3. Descompactar

Faça a descompressão do arquivo baixado que, quando da criação deste post, fora realizado da seguinte forma:

$ unzip geoserver-2.1.3-war.zip

5.4. Disponibilizar o geoserver no diretório de webapps do Tomcat
Copiar o arquivo geoserver.war para o diretório que contém o container de aplicações webapps.

# cp geoserver.war /var/lib/tomcat6/webapps/.

Quando reiniciar o Tomcat, este reconhecerá o arquivo WAR e imediatamente começará a implantar o aplicativo web. Este processo leva algum tempo e depende do hardware usado. Reinicie o Tomcat da seguinte forma:

# /etc/init.d/tomcat6 restart

Observe que fora criada a pasta /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/ contendo os arquivos Java executáveis do Geoserver.

5.5. Executar o Geoserver
Estando o Tomcat sendo executado na porta 8080 no localhost, a URL de acesso ao Geoserver será http://IP-servidor:8080/geoserver .

5.6 Recomendações de segurança para as versões Geoserver anteriores à 2.5
a) Observar o conteúdo do arquivo /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/data/security/masterpw.info:

This file was created at 2012/10/26 12:23:25
The generated master password is: IHg"UwfH
Test the master password by logging in as user "root"
This file should be removed after reading !!!.

Este arquivo deve ser removido:
# rm /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/data/security/masterpw.info

b) Observar o conteúdo do arquivo /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/data/security/users.properties.old:

# This is the admnistrator (as well as whoever else has the ROLE_ADMINISTRATOR attached)
admin=geoserver,ROLE_ADMINISTRATOR
# These are sample users you may uncomment if you want to test locking down wfs (see service.properties)
#wfst=wfst,ROLE_WFS_READ,ROLE_WFS_WRITE
#wfs=wfs,ROLE_WFS_READ

Este arquivo deve ser removido:
# rm /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/data/security/users.properties.old

c) Mudar a senha de administrador, que fora criada na instalação do Geoserver:
Senha default: admin/geoserver

5.7 Recomendações de segurança para o Geoserver versão 2.5
O Geoserver vem com dois usuários administrativos habilitados a fazer login na aplicação:
– username: root, password: geoserver
– username: admin, password: geoserver

a) Usuário root
Por segurança, a senha deste usuário deve ser trocado assim que o Geoserver for instalado. Esta é trocada facilmente fazendo-se login no Geoserver e, através do menu principal à esquerda, acessar a opção “security -> Passwords”.

Quando a tela de tratamento de “Passwords” for aberta, troque a senha do usuário root utilizando o link “Change password” conforme a figura abaixo.
Geoserver 2.5: trocar senha do usuário root.
 
OBS: a senha do usuário root default é “geoserver”. Esta é guardada de forma criptografada em /var/lib/tomcat6/webapps/geoserver/data/security/masterpw/default/passwd .

b) Usuário admin
Também sua senha deve ser trocada assim que o Geoserver for instalado. Através da opção “User,Groups,Roles -> Users/Groups” disponibilizada a partir do menu principal do Geoserver, clicar no hyperlink “admin” conforme a figura abaixo e trocar a senha do usuário.
Geoserver2.5: trocar senha do usuário admin.

5.8 Arquivo de Logs
O lugar padrão dos logs do Geoserver é /geoserver/data/logs/geoserver.log. Estes mesmos logs podem ser visualizados através do painel do Geoserver pela opção “GeoServer Logs”.
 
6. Layers default
Quando da instalação do Geoserver, alguns layers default estão disponíveis. Através da operação GetCapabilities utilizando um navegador é possível itentificar estes layers:
http://IP-servidor:8080/geoserver/wms?service=wms&version=1.1.1&request=GetCapabilities

Veja os resultados obtidos:

nurc:Arc_Sample
nurc:Img_Sample
sf:archsites
sf:bugsites
tiger:giant_polygon
nurc:mosaic
tiger:poi
tiger:poly_landmarks
sf:restricted
sf:roads
sf:sfdem
topp:states
sf:streams
topp:tasmania_cities
topp:tasmania_roads
topp:tasmania_state_boundaries
topp:tasmania_water_bodies
tiger:tiger_roads

7. Desinstalar
Caso necessite desinstalar o Geoserver, basta remover o GeoServer webapp do diretório das aplicações de webapps do container.

Referências
1- Utilizar o GeoServer
2- O Geoserver em produção e com segurança
Veja também:
3- Geoserver
4- GeoServer Data Directory
5- GIS Tutorials
6- seiti.eti.br
7- Projeto Jetty
8- Introdução ao Jetty
9- Documentação do Jetty//Devian-Packages
10- Geoserver 2.5 Security

1. Alguns conceitos sobre a plataforma Java
Plataforma Java é o nome dado ao ambiente computacional, ou plataforma, criada pela empresa estadunidense Sun Microsystems e vendida para a Oracle depois de alguns anos. A plataforma permite desenvolver aplicativos utilizando qualquer uma das linguagens criadas para a plataforma Java, sendo a linguagem padrão a que leva seu próprio nome: Linguagem Java. Uma grande vantagem da plataforma é a de não estar presa a um único sistema operacional ou hardware, pois seus programas rodam através de uma máquina virtual que pode ser emulada em qualquer sistema que suporte a linguagem C++.

A plataforma Java é constituída de um grande número de tecnologias, cada uma provê uma porção distinta de todo o ambiente de desenvolvimento e execução de software. Os usuários finais, tipicamente, interagem com a máquina virtual Java (Java Virtual Machine, ou JVM) e um conjunto padrão de bibliotecas de classe.

Existe um Comitê Executivo (EC) que é um grupo de Members que decidem a evolução da tecnologia Java na “Java Community Process (JCP)”. Participam do comitê as organizações Apache Software Foundation, Google Inc., Hewlett-Packard, IBM, Oracle, Borland Software Corporation, Intel Corp., Sun Microsystems, Inc., RedeHat entre outras.

2. Verificar versões do Java disponíveis, e se existe Java instalada na máquina
a) verificar se existe máquina virtual Java instalada
$ java -version
Neste caso, será informado se alguma máquina virtual Java está instalada. Se não houver qualquer máquina virtual instalada, o sistema responderá assim:
bash: java: comando não encontrado

Ou ainda um outro comando:
$ which -a java
/usr/bin/java
Neste caso a resposta do sistema informa que existe uma máquina virtual Java instalada, a partir da pasta /usr/bin/

b) verificar se o sun-java está disponível no repositório Debian e se está instalado na máquina local
$ apt-cache policy sun-java6-jre
sun-java6-jre:
Instalado: (nenhum)
Candidato: 6.26-0squeeze1
Tabela de versão:
6.26-0squeeze1 0
500 http://ftp.br.debian.org/debian/ squeeze/non-free i386 Packages

Neste segundo caso, vê-se que a máquina virtual sun-java6-jre não está instalada mas está disponível no repositório Debian. Java JRE significa “Ambiente Java de Tempo de Execução” (maquina virtual java para executar aplicativos Java). Existe o sun-java6-jdk para ambiente de desenvolvimento, que não será tratado neste post.

c) verificar se o Open Java está disponível no repositório Debian e se está instalado na máquina local

$ apt-cache policy openjdk*
openjdk-6-jre:
       Instalado: (nenhum)
       Candidato: 6b27-1.12.6-1~deb6u1
openjdk-6-jdk:
       Instalado: (nenhum)
       Candidato: 6b27-1.12.6-1~deb6u1
openjdk-6-doc:
       Instalado: (nenhum)
       Candidato: 6b27-1.12.6-1~deb6u1
openjdk-6-jre-headless:
       Instalado: (nenhum)
       Candidato: 6b27-1.12.6-1~deb6u1
openjdk-6-dbg:
       Instalado: (nenhum)
       Candidato: 6b27-1.12.6-1~deb6u1

d) verificar se o sun-java está disponível no repositório Debian
$ apt-cache search sun-java
ia32-sun-java6-bin – Sun Java(TM) Runtime Environment (JRE) 6 (32-bit)
sun-java6-bin – Sun Java(TM) Runtime Environment (JRE) 6 (architecture dependent files)
sun-java6-demo – Sun Java(TM) Development Kit (JDK) 6 demos and examples
sun-java6-fonts – Lucida TrueType fonts (from the Sun JRE)
sun-java6-javadb – Java(TM) DB, Sun Microsystems’ distribution of Apache Derby
sun-java6-jdk – Sun Java(TM) Development Kit (JDK) 6
sun-java6-jre – Sun Java(TM) Runtime Environment (JRE) 6 (architecture independent files)
sun-java6-plugin – The Java(TM) Plug-in, Java SE 6
sun-java6-source – Sun Java(TM) Development Kit (JDK) 6 source files

Vemos que o sun-java está disponível no repositório Debian (obs: esta resposta foi para o Debian-6 (Squeeze).

e) verificar se o Open Java está disponível no repositório Debian
$ apt-cache search openjdk
default-jdk-doc – Standard Java or Java compatible Development Kit (documentation)
default-jdk – Standard Java or Java compatible Development Kit
default-jre-headless – Standard Java or Java compatible Runtime (headless)
default-jre – Standard Java or Java compatible Runtime
openjdk-6-dbg – Java runtime based on OpenJDK (debugging symbols)
openjdk-6-demo – Java runtime based on OpenJDK (demos and examples)
openjdk-6-doc – OpenJDK Development Kit (JDK) documentation
openjdk-6-jdk – OpenJDK Development Kit (JDK)
openjdk-6-jre – OpenJDK Java runtime, using Hotspot JIT
openjdk-6-jre-headless – OpenJDK Java runtime, using Hotspot JIT (headless)
openjdk-6-jre-lib – OpenJDK Java runtime (architecture independent libraries)
openjdk-6-source – OpenJDK Development Kit (JDK) source files

f) outras verificações sobre o repositório Debian

https://packages.debian.org/search?suite=all&section=all&arch=any&searchon=names&keywords=sun-java
https://packages.debian.org/search?suite=all&section=all&arch=any&searchon=names&keywords=openjdk
https://packages.debian.org/search?suite=all&section=all&arch=any&searchon=names&keywords=openjdk-7-jre

3. Instalar o Java da Sun
3.1 Para o Debian-7 e mais recentes
Para o Debian-7 (wheezy) e mais recentes, Sun Java não está mais disponível nos repositórios Debian (veja em Oracle/Sun Java).

Mas ainda assim é possível ter o Sun da Java no Debian-7, conforme mostraremos a seguir.

3.1.1 Baixar a versão amsi atual do Sun Java
A versão mais atual do Sun Java pode ser encontrada no sitio da Oracle em Java Platform – Standard Edition. Baixe a versão mais apropriada (se 32 bits/64 bits, JRE/JDK). Vamos exemplificar aqui para a versão 64 bits JDK.

De uma maneira direta utilizando a linha de comando para a versão Java-8 JDK:
$ wget --no-cookies --no-check-certificate --header "Cookie: oraclelicense=accept-securebackup-cookie" "http://download.oracle.com/otn-pub/java/jdk/8u5-b13/jdk-8u5-linux-x64.tar.gz"

3.1.2 Desempacotar
Desempacotar o arquivo JAVA 8 SDK baixado na pasta /opt:
# mkdir /opt/java-oracle
# tar -zxf jdk-8u5-linux-x64.tar.gz -C /opt/java-oracle/

3.1.3 Configurar o ambiente
Configurar o ambiente para que o JAVA 8 da Oracle possa ser utilizado no sistema, com a mais alta prioridade:

# JHome=/opt/java-oracle/jdk1.8.0_05/
# export JHome
# update-alternatives --install /usr/bin/java java ${JHome%*/}/bin/java 20000

# update-alternatives –config java
Obs: neste último comando, determinar a vesão do Oracle-8 instalado (caso haja mais de uma versão de Java instalada na máquina).

3.1.4 Verificar
utilize os dois comandos abaixos para sertificar-se que o Java-8 foi instalado com sucesso e é a versão java default em utilização na máquina.

$  update-alternatives --config java
Existem 3 escolhas para a alternativa java (disponibiliza /usr/bin/java).

  Selecção   Caminho                                         Prioridade Estado
------------------------------------------------------------
* 0            /opt/java-oracle/jdk1.8.0_05/bin/java            20000     modo automático
  1            /opt/java-oracle/jdk1.8.0_05/bin/java            20000     modo manual
  2            /usr/lib/jvm/java-6-openjdk-amd64/jre/bin/java   1061      modo manual
  3            /usr/lib/jvm/java-7-openjdk-amd64/jre/bin/java   1051      modo manual

Pressione enter para manter a escolha actual[*], ou digite o número da selecção:

e

$ java -version
java version "1.8.0_05"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.8.0_05-b13)
Java HotSpot(TM) 64-Bit Server VM (build 25.5-b02, mixed mode)

3.2 Até o Debian-6 (Squeeze)
Até o Debian-6 (Squeeze), apenas era necessário ter o repositório non-free habilitado no arquivo de configurações de pacotes /etc/apt/sources.list para instalar o Sun Java. Assim, habilite o repositório non-free conforme abaixo:

deb http://ftp.br.debian.org/debian squeeze contrib non-free
deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ squeeze main non-free

Em seguida, atualizar o repositório:
# apt-get update

3.2.1 Fazer a instalação
Se houver uma interface gráfica, pode-se utilizar o Synaptic para fazer a instalação. Neste caso, marque para instalação:

sun-java6-bin
sun-java6-jre
sun-java6-plugin

PS: Java Plug-in permite que applets escritos nas especificações para a plataforma Java6 sejam executados no Mozilla e em outros browsers da web. Java Plug-in vem como o “Java Runtime Environment” (JRE).

Ou utilize o terminal:
# apt-get install sun-java6-jre sun-java6-plugin
obs: o segundo pacote só é necessário caso exista uma interface gráfica com navegador, para instalar o JVM do navegador.

3.2.2 Marcar para remoção completa o OpenJDK
Um maneira de verificar se o OpenJdk está instalado no sistema é pelo comando:
$ apt-cache policy openjdk* | grep Instalado -B 1 -A 3
openjdk-6-jre-lib:
Instalado: 6b27-1.12.5-1
Candidato: 6b27-1.12.5-1
openjdk-6-jre:
Instalado: 6b27-1.12.5-1
Candidato: 6b27-1.12.5-1
openjdk-6-jre-headless:
Instalado: 6b27-1.12.5-1
Candidato: 6b27-1.12.5-1

Pela resposta mostrada pelo sistema, a versão 6 do Openjdk está realmente instalada no sistema. Através do Synaptic, marque para remoção completa os seguintes pacotes:

default-jre
openjdk-jre
openjdk-6-jre-lib

3.2.3 Criar um link simbólico
O programa java será instalado em: /usr/lib/jvm/java-6-sun/jre/bin/java
Como este caminho está fora do PATH, vamos criar um link simbólico para ele dentro da pasta /usr/bin:
a) remova o link simbólico atual do java (atualmente tem java -> /etc/alternatives/java);
Isso pode ser visto através do seguinte comando:
# ls -lath java
Para remover este link simbólico, utilize o seguinte comando:
# rm java

b) crie um novo link simbólico:
# ln -s /usr/lib/jvm/java-6-sun/jre/bin/java java

3.2.4 Verificar a instalação
a) Verificar se java ativado e qual a versão
$ java -version

obtendo a seguinte resposta:

java version “1.6.0_22″
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.6.0_22-b04)
Java HotSpot(TM) Client VM (build 11.2-b01, mixed mode, sharing)

Se isto acontecer, está tudo funcionando bem. Se você deseja apenas usar o Java, tudo já está configurado. No entanto se você deseja fazer programas em Java, será preciso executar procedimentos adicionais para instalar o JDK.

b) Certificar-se que o java está realmente instalado no sistema
Através do comando dpkg --get-selections. A ação “get-selections” faz com que seja enviado ao console a lista de pacotes instalados.

$ dpkg --get-selections | grep java
ca-certificates-java install
java-common install
java-wrappers install
javahelp2 install
:
:
:
sun-java6-bin install
sun-java6-jre install
sun-java6-plugin install
tzdata-java install

Aqui observa-se que o sun-java6 está instalado no sistema.

c) Certificar-se qual a instância java que está sendo utilizada no sistema
Utilize o comando Debian update-alternatives conforme abaixo, que possibilita criar, remover, manter e mostrar informações sobre links simbólicos. É possível que diversos programas que executam as mesmas funções ou funções similares estejam instalados em um único sistema, ao mesmo tempo. Por exemplo, muitos sistemas têm diversos editores de texto instalados ao mesmo tempo. Isso dá a escolha para os usuários de um sistema, permitindo que cada um use um editor diferente, se desejar.

# update-alternatives --config java

Existem 2 escolhas para a alternativa java (disponibiliza /usr/bin/java).

Selecção Caminho Prioridade Estado
————————————————————
* 0 /usr/lib/jvm/java-6-openjdk/jre/bin/java 1061 modo automático
1 /usr/lib/jvm/java-6-openjdk/jre/bin/java 1061 modo manual
2 /usr/lib/jvm/java-6-sun/jre/bin/java 63 modo manual

Pressione enter para manter a escolha actual[*], ou digite o número da selecção:

Aqui neste exemplo, a instância java em uso seria o openjdk. Se desejar utilizar o sun-java6, digite “2″ na questão apresentada no terminal para fazer a mudança no link simbólico.

d) Verificar se existe processo ativo java

$ ps -A | grep java
 2243 ?        00:01:44 java

$ ps -ef | grep java
tomcat6   2243     1 11 11:01 ?        00:01:44 /usr/lib/jvm/java-6-sun//bin/java -Djava.util.logging.config.file=/var/lib/tomcat6/conf/logging.properties -Djava.awt.headless=true -Xmx128m -XX:+UseConcMarkSweepGC -Djava.util.logging.manager=org.apache.juli.ClassLoaderLogManager -Djava.endorsed.dirs=/usr/share/tomcat6/endorsed -classpath /usr/share/tomcat6/bin/bootstrap.jar -Dcatalina.base=/var/lib/tomcat6 -Dcatalina.home=/usr/share/tomcat6 -Djava.io.tmpdir=/tmp/tomcat6-tomcat6-tmp org.apache.catalina.startup.Bootstrap start
antonio   2368  2334  0 11:16 pts/1    00:00:00 grep java

3.2.5 Definir a variável de ambiente JAVA_HOME de forma persistente
Considerando que o arquivo java esteja em /usr/lib/jvm/java-6-sun/jre/bin/java como fora mostrado acima, a definição da variável de ambiente JAVA_HOME deve ser feita da seguinte forma:

# JAVA_HOME=’/usr/lib/jvm/java-6-sun/’
# export JAVA_HOME

No entanto, esta definição não será vista no contexto dos usuários, bem como será perdida quando de nova iniciação da máquina. Para fazer com que esta definição seja permanente e visível por todos os usuários, disponibilize esta definição através do arquivo /etc/environment o qual é executado imediatamente após o boot da máquina. Acrescente ao final deste arquivo a seguinte linha:

export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-6-sun/

Para entender melhor:
Configurações de variáveis ​​de ambiente que afetam o sistema como um todo (em vez de apenas um usuário em particular) não devem ser colocadas em qualquer um dos muitos de nível de scripts de sistema que são executados quando o sistema ou a sessão de desktop são carregados, mas devem ser definidas em /etc/environment .

  • /etc/environment – este arquivo é especificamente concebido para ajustes do sistema de variáveis ​​de ambiente. Não é um arquivo de script, consiste em expressões de atribuição, um por linha. Especificamente, armazena as variáveis de ambiente que são exportadas para todo o sistema, mesmo sem carregar a interface gráfica ou qualquer login de usuário.

Não é recomendado:

  • /etc/profile – este arquivo é executado sempre que um shell de login do bash é iniciado (por exemplo, quando do login a partir do console ou ssh), bem como pelo “DisplayManager” quando da iniciação da sessão de desktop. No Debian, no entanto, esse arquivo faz pouco mais do que invocar o arquivo /etc/bash.bashrc.
  • /etc/bash.bashrc – esta é a versão de todo o sistema do arquivo ~/bashrc . O Debian é configurado por padrão para executar esse arquivo sempre que um usuário entra em um shell ou o ambiente de trabalho.

4. Instalar o OpenJDK
O principal objetivo do projeto OpenJDK é produzir uma implementação open-source do Java Platform SE (6 e 7). Para instalar o Java livre, desinstale qualquer versão do Java que já esteja instalada na máquina.

4.1 Instalar o Java Livre
# apt-get install openjdk-6-jre

4.2 Verificar a instalação
a) Versão do java instalado
$ java -version
java version “1.6.0_27”
OpenJDK Runtime Environment (IcedTea6 1.12.6) (6b27-1.12.6-1~deb6u1)
OpenJDK 64-Bit Server VM (build 20.0-b12, mixed mode)

b) Localização
$ which java
/usr/bin/java

Ou ainda com mais detalhes:
$ ls -la /usr/bin/java
lrwxrwxrwx 1 root root 22 Mar 27 15:16 /usr/bin/java -> /etc/alternatives/java

c) Certificar-se qual a instância java que está sendo utilizada no sistema
# update-alternatives --config java
Existe apenas uma alternativa no grupo de ligação java: /usr/lib/jvm/java-6-openjdk/jre/bin/java
Nada para configurar.

4.3 Definir a variável de ambiente JAVA_HOME de forma persistente
Para o OpenJDK, a variável de ambiente java deve ser feita da seguinte forma:
# JAVA_HOME='/usr/lib/jvm/java-6-openjdk/'
# export JAVA_HOME

No entanto, esta definição não será vista no contexto dos usuários, bem como será perdida quando de nova iniciação da máquina. Para fazer com que esta definição seja permanente e visível por todos os usuários, disponibilize esta definição através do arquivo /etc/environment o qual é executado imediatamente após o boot da máquina. Acrescente ao final deste arquivo a seguinte linha:
export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-6-openjdk/

Referências
1- Página de Download para o “sun-java6-jre_6-12-1_all.deb
2- Como instalar o Java
3- OpenJDK
4- Installing Oracle JAVA 7 on Debian Wheezy