Instalar o Telegram-CLI Messenger no GNU/Linux – Debian

Publicado: 01/02/2015 em Escritorio, Serviços IP
Tags:

Telegram-CLI, chamado “tg”, é um cliente do Telegram basado em linha de comandos. No momento deste post, só existiam as versões para sistemas Linux e Mac.

Ele será executado a partir de um terminal. Utilizaremos a versão deste aplicativo que se encontra hospedada no GitHub e que fora desenvolvida por vysheng. Por questões de segurança, nesse post vamos mostrar como fazer a sua instalação numa área do próprio usuário.

Para os testes do Telegram-CLI, utilizamos uma máquina 64bits com o Debian-7 (Debian Wheezy).

1. Instalar

# apt-get install libreadline-dev libconfig-dev libssl-dev lua5.2 liblua5.2-dev
# apt-get install libevent-dev
# apt-get install git-core
$ mkdir telegram && cd telegram
telegram$ git clone --recursive https://github.com/vysheng/tg.git && cd tg
telegram/tg$ ./configure
telegram/tg# make

2. Para iniciar e configurar (quando iniciar o aplicativo pela primeira vez)

telegram/tg$ ./bin/telegram-cli
change_user_group: can't find the user telegramd to switch to
Telegram-cli version 1.2.0, Copyright (C) 2013-2015 Vitaly Valtman
Telegram-cli comes with ABSOLUTELY NO WARRANTY; for details type `show_license'.
This is free software, and you are welcome to redistribute it
under certain conditions; type `show_license' for details.
Telegram-cli uses libtgl version 1.2.0
I: config dir=[~/.telegram-cli]
[~/.telegram-cli] created
[~/.telegram-cli/downloads] created
phone number:
               <-- aqui colocar seu número de telefone
code ('call' for phone call):      <-- aqui colocar o código que o próprio Telegram enviará por SMS ao seu celular (exemplo de código enviado: 45734).
> dialog_list
> help

3. Alguns comandos básicos
Para facilitar a digitação dos comandos, “tg” oferece complementação de texto através da tecla “tab”.
> help
> contact_list
> dialog_list
> msg <usuario>
> chat_with_peer <usuario>   (Obs: para terminar: /quit)
> quit


4. Alguns comandos de controle/configuração


> set msg_num 0 desativa a numeração das mensagens.
> set msg_num 1 ativa a numeração das mensagens.
> set log_level 0 desativa informação de quando se conectam/desconectam os contatos
> set log_level 1 imprime informação as mensagens lidas
> set log_level 2 imprime no terminal quando alguém está escrevendo no chat
> set log_level 3 ativa informação de quando se conectam/desconectam os contatos

5. Opções (chaves) para iniciar o Telegram-CLI


-c nome do arquivo de configuração
-C desabilita cores
-d modo daemon
-D desabilitar a saída
-E desabilita "auto accept" de chats encriptados
-f durante a autorização busca todas as mensagens desde o registro
-G alterar gid após iniciar
-k especificar a localização da chave pública (possível múltiplas entradas)
-l nível de log
-L nome do arquivo de log
-N mostrar o número das mensagens
-p usar o perfil especificado
-P <port> porta para ouvir para os comandos de entrada
-R desabilitar a leitura do teclado do usuário
-s lua script file
-S <socket-name> criar unix socket
-u especificar username (poderá ser solicitado durante a autorização)
-U alterar uid após iniciar
-v nível de detalhamento -verbosity- (0-ERROR 1-WARNIN 2-NOTICE 3-DEBUG)
-W mostra a fila do dialog_list e espera por resposta antes de tratar a entrada do teclado

6. Exemplos de iniciação do Telegram-CLI
Considerando o local de instalação do Telegram-CLI (em ~/telegram/tg) na área do usuário conforme este post, teríamos:

telegram/tg$ ./bin/telegram-cli
telegram/tg$ ./bin/telegram-cli -N -W
telegram/tg$ ./bin/telegram-cli -N -v 1
telegram/tg$ ./bin/telegram-cli -W -k tg-server.pub
~$ ./telegram/tg/bin/telegram-cli -W -k telegram/tg/tg-server.pub

7. Exemplos de parametrizações que pode conter o arquivo de configuração do Telegram-CLI
Considerando o local de instalação do Telegram-CLI conforme este post, o arquivo de configuração estará numa pasta logo abaixo da pasta raiz do usuário:
– arquivo de configuração do Telegram-CLI: ~/.telegram-cli/config

Exemplos de parametrizações contidas no arquivo:
log_level = 3
msg_num = true

8. Backup de mensagens trocadas
Uma das poucas características que falta no Telegram-CLI é a opção ‘exportação do bate-papo’. E isso parece ser uma facilidade que é importante existir na solução e que esperamos que ela seja disponibilizada no futuro próximo.

Mas vamos expor a seguir uma forma de contornar esta falta, mesmo com um “trabalhinho” a mais por conta do usuário. O comando exemplificado a seguir lista as mensagens anteriormente trocadas:

> history nome_contato 20

Entendendo:
– o comando busca as últimas 20 mensagens trocadas com o “nome_contato”;
– o primeiro argumento é o nome de seu amigo e o segundo argumento é o número de mensagens;
– o comando “history” do “tg” também funciona para grupos. Lembrar que para saber quais os grupos em que o usuário está participando basta usar o comando “dialog_list”.

Nota: sedimentando o entendimento, o comando “history” do “tg” não oferece uma maneira de exportar as mensagens trocadas para um arquivo texto. A maneira possível de fazer este “backup” é através de “copy-paste” a partir do terminal.

9. E o “telegram-web”
Bom, pegando carona neste post, o “telegram-web” funcionou muito bem numa máquina Debian com Iceweasel. Não foi necessário instalar nenhum plugin, bastou acessar a página https://web.telegram.org/

Será solicitado o número do telefone e um código será enviado a este telefone (via o próprio telegram e via SMS, concomitantemente). Basta então informar este código através da página que está aberta no navegador e você já terá seus contatos mostrados na tela. Agora é só ler as mensagens enviada para você e também enviar mensagens para seus amigos.

As duas figuras abaixo ilustram este processo:

Tela de login do Telegram-web

Tela do Telegram-web para inserir o código de identificação do usuário

PS: após isto, não é necessário manter o telefone conectado a uma rede de dados (seja 3G/4G ou wifi) para continuar utilizando o Telegram-web .

Referências:
1- Telegram Help
2- Lista básica de comandos do Telegram
3- Comandos do Telegram
4- Como instalar o Telegram CLI

comentários
  1. Angelo Sampaio disse:

    Estou utilizando o Telegram para monitorar meus servidores domésticos e este foi o primeiro artigo que encontrei com as dica básicas para fazer toda a coisa funcionar. Valeu pelo artigo!

Deixe um comentário, pois isto é muito motivante para continuarmos este trabalho

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s